domingo, 30 de janeiro de 2011

O Mini Centro Comercial da Cova dos Anos 60

Quase ao fundo da Avenida Remígio Falcão Barreto, na povoação da Cova, e até aos finais dos  anos 60 do século passado  existiu durante mais de 30 anos uma taberna-mercearia, uma barbearia,e uma pequena loja de frutas numa casa,que agora se encontra em avançado estado de degradação.
Casa esta já centenária,que segundo dizem os idosos desta terra,foi a primeira a ser construída de pedra no lugar da Cova.
Era quase como um mini centro comercial desse tempo...
Para a taberna,tinha-se acesso pela porta de madeira à direita,no lado esquerdo,situava-se a mercearia,e mais à esquerda,com uma porta mais pequena,a famosa barbearia do senhor Fernando,e na parte lateral esquerda,portanto do lado do mar,havia também uma pequena loja de frutas e hortaliças.
Todos estas lojas,tiveram a sua actividade comercial ao mesmo tempo durante alguns anos,na dita casa.
Além de outras, como a do " Manel dos Caracois",do Manuel Farinheiro e da padaria do Peralta,eles foram também pioneiros,dos primeiros estabelecimentos comerciais nesta pequena localidade de pescadores abandonada à sua sorte,caída no esquecimento,sem quaisquer apoios da freguesia de Lavos a quem pertencia,ou da Câmara Municipal da Figueira da Foz daquele tempo...
Se bem me lembro,como já dizia também o nosso Vitorino Nemésio,num programa que passava na televisão aos sábados á tarde no primeiro canal,era na taberna do Fransisco,que muita gente do mar se reunia,conversavam,discutiam e abafavam algumas mágoas com uns bons copos de vinho tinto que corria com abundância pela torneira de madeira de uma das velhas e grandes pipas de carvalho,que imponentes,marcavam sempre presença e eram a grande atração da taberna.
Dizia o senhor Fransisco,quando a noite de inverno já tinha invadido a aldeia:
- Está na hora de fechar,já é tarde!
O Galhofa como era conhecido,e que morava ali mesmo  ao lado logo replicava:
-Ó senhor Francisco dê-me só mais um traçado,que eu moro aqui perto!
-Então dê-me vossemecê mais um tinto que eu moro mais longe do que ele,e tenho que andar mais... - dizia outro,já um pouco quentinho de tanto vinho que tinha ingerido.
Entretanto chegava o Fernando da barbearia:
-Ainda bem,que está aberto Senhor Fransisco,avie-me um traçado e dê de beber a esta gente,que o negócio hoje correu-me bem.
Eram os derradeiros copos que eram servidos na taberna, lá fora uma mulher esperava e desesperava pelo marido e exclamava:
-Oh homem dos meus pecados,anda pra casa,que o comer já está frio! Olha a minha vida! Amanhã tens ordens para as cinco da manhã!
- Está bem,está bem - dizia enquanto descia o último degrau da entrada da taberna - "mas amanhã, antes de ir pró mar venho aqui matar o bicho! né senhor Fransisco?"
O senhor Fransisco lá conseguia fechar a taberna,a aldeia essa, já tinha adormecido envolta num manto de nevoeiro que trazia uma maior melancolia e tristeza,a principal rua já estava deserta...tomada também pela obscuridade da noite.
Ficava simplesmente o barulho da rebentação das ondas do mar agitado que se ouviam ao longe e vigiavam a minha aldeia...
(emO Mini Centro Comercial da Cova dos Anos 60)

11 comentários:

  1. Quem é que já se lembra?é verdade havia naquela casa naquele tempo quatro negócios diferentes,embora a taberna e a mercearia fosse só do francisco.
    Cheguei também muitas vezes a fazer a barba e cortar o cabelo no barbeiro,que ainda lá esteve muitos anos,uma pessoa muito bem educada.
    Ai que saudades,já lá vão mais de 40 anos.Boa lembrança amigo,atira mais dessas,há quem as goste de apanhar.

    ResponderEliminar
  2. Que montanhas de vida no seu texto, fazendo-me lembrar as minhas gentes .
    Obrigado pela sensibilidade de ter escrito assim, gostei imenso.

    ResponderEliminar
  3. Agradecido pelo elogio,e também por depreender,o sentido do texto deste fragmento de estória real da minha terra de outros tempos...

    ResponderEliminar
  4. sou emigrante na america mas lembro-me perfeitamente da loja do fransisco e da padeiria onde os velhinhos aqueciam os ossos no passeio alto em dias de sol.
    Um abraço de New bedford para a cova-gala.

    ResponderEliminar
  5. Marta Santos - Coimbra26 de fevereiro de 2011 às 19:46

    Também eu gostei do que li e do comentário do senhor Olímpio,as minhas saudações para ambos.

    ResponderEliminar
  6. Barbearia do Sr. Ernesto?
    Vamos lá a dar o nome correcto às pessoas e o valor que merecem,pela sua educação,simplicidade e cortezia,valores que não podem ser atríbuidos ao concorrente da Gala,na altura.
    A pessoa em questão chamava-se Fernando e não Ernesto

    ResponderEliminar
  7. Barbearia do Sr. Ernesto?
    Vamos lá a dar o nome correcto às pessoas e o valor que merecem,pela sua educação,simplicidade e cortezia,valores que não podem ser atríbuidos ao concorrente da Gala,na altura.
    A pessoa em questão chamava-se Fernando e não Ernesto

    ResponderEliminar
  8. Sr.Ernesto?
    Vamos lá dar o nome correcto às pessoas,pelo seu valor como a educação,cortezia,profissionalismo e simplicadade.
    Esse SENHOR chamava-se FERNANDO e era possuidor de valores que dentro da profissão poderiam ser também dedicados ao Sr. Soares,que esteve estabelecido onde é hoje o totoloto,enquanto o Sr.Ernesto estava estabelecido quatro portas à esquerda junto da loja do Sr Caetano.

    ResponderEliminar
  9. O Senhor José tem toda a razão,foi uma tremenda confusão de nomes,é o que acontece a textos que escrevo no momento,e raramente releio...
    Ainda à tempos falei com um dos filhos do falecido barbeiro Fernando,o Silvério.
    Obrigado pelo alerta e reposição da verdade.

    ResponderEliminar
  10. Caro senhor,esta foto já está superdiluída no tempo,actualmente o prédio está recuperado e já lá tem um novo minimercado...

    ResponderEliminar
  11. Perfeitamente de acordo caro senhor José,a casa ja foi renovada e ainda bem,mas não no momento da publicação do texto(31/01/2011).
    Continuação de um bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar

O Mar...da Cova.

O Mar...da Cova.
Praia da cova...teu mar é imenso,tem muitas estórias para contar.Quando era criança quis alcançar o teu fim...nos meus pensamentos.O teu horizonte era a minha amante longínqua...As dunas a cama aonde um dia me iria deitar contigo...

Que dia é hoje?

Só existem dois dias no ano,em que nada se deve fazer.
Um chama-se ontem,e o outro amanhã.
Por isso hoje é o dia para amar,crer,fazer e principalmente viver...

Ponte dos Arcos...na Gala

Ponte dos Arcos...na Gala
Velha Ponte dos Arcos...Ponte da minha infãncia.Tua vida chegou ao fim...mas a tua imagem ficará sempre em mim.Olhas o rio,como quem olha o espelho da vida.Já viste alguém nascer...quem sabe!Não evitas-te que junto a ti alguém morresse.

Praia da Cova...

Praia da Cova...
O perfume do teu mar...é o presente,foi o passado e será o futuro da minha existência...