sexta-feira, 14 de março de 2014

D. José Policarpo, o patriarca “que não pedia licença para dizer o que pensava”

D. José da Crus Policarpo participava num retiro de bispos, em Fátima, quando se sentiu mal e foi de emergência para Lisboa, onde lhe foi detectado um aneurisma na aorta. Morreu dia 12 de Março,na sala de operações, durante a intervenção cirúrgica de emergência a que foi submetido no Hospital do SAMS. Tinha 78 anos. 
As exéquias do patriarca emérito de Lisboa realizaram-se esta sexta-feira, na Sé de Lisboa, às  16h00,tendo sido depois sepultado no Panteão dos Patriarcas, em S. Vicente de Fora.

O Mar...da Cova.

O Mar...da Cova.
Praia da cova...teu mar é imenso,tem muitas estórias para contar.Quando era criança quis alcançar o teu fim...nos meus pensamentos.O teu horizonte era a minha amante longínqua...As dunas a cama aonde um dia me iria deitar contigo...

Que dia é hoje?

Só existem dois dias no ano,em que nada se deve fazer.
Um chama-se ontem,e o outro amanhã.
Por isso hoje é o dia para amar,crer,fazer e principalmente viver...

Ponte dos Arcos...na Gala

Ponte dos Arcos...na Gala
Velha Ponte dos Arcos...Ponte da minha infãncia.Tua vida chegou ao fim...mas a tua imagem ficará sempre em mim.Olhas o rio,como quem olha o espelho da vida.Já viste alguém nascer...quem sabe!Não evitas-te que junto a ti alguém morresse.

Praia da Cova...

Praia da Cova...
O perfume do teu mar...é o presente,foi o passado e será o futuro da minha existência...